Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Sentia-me bem enquanto arrumava tudo. Cada babygrow, cada fatinho, cada manta feita pela avó e cada fralda bordada por mim, no tempo em que ainda tinha tempo para essas coisas. Sentia-me bem, com uma certa nostalgia confesso, mas sem AQUELAS saudades. Sem as saudades dos meus bebés serem bebés. Sem as saudades dos cheirinhos bons, da minha barriga, de os sentir dentro de mim, de dar maminha e adormecer sempre. Estou curada, pensei. Estou curada de bebés, já posso fechar a fábrica e seguir em frente.

 

Bonito texto, certo? O texto é meu mas não é sobre mim. Ainda não estou nessa fase, ainda não estou curada de bebés. Vêm aí bebés na família e amigos próximos. Encontro-me nos últimos dias a arrumar coisinhas de bebés e coisas de grávidas e dou por mim a reviver tudo. É tudo como se fosse ontem. Sei as roupas de cor, os tamanhos, como usar, o que fazer. Ainda tenho os apontamentos dos cursos que fiz e as anotações de quando o Gonçalo nasceu (o Pedro já não teve direito a nada, como quase sempre acontece com os segundos filhos). Conclusão, dou por mim ainda a sonhar com mais um pequenino, presa a um ideal de três filhos. Esqueço-me que três filhos é para campeões. Esqueço-me que eu já desespero tantas vezes só com dois. Esqueço-me que a gravidez não é fácil, que a minha última não foi fácil. Esqueço-me que pesa em todos os sentidos. Esqueço-me que não tive daqueles filhotes que só comem e dormem. Esqueço-me que os meus filhotes nunca dormiram a noite toda em bebés (ainda hoje sabe Deus!) Esqueço-me da angústia que é ouvi-los chorar e não saber porquê ou o que fazer mais. Esqueço-me do que é ouvi-los chorar ao mesmo tempo e não conseguir chegar aos dois (às vezes chegar para os dois). Esqueço-me da dor que é levá-los ao hospital e ouvir as palavras “vai ter de ficar”. E os meus ficaram os dois ainda não tinham três meses. Esqueço-me que o dinheiro vai esticando mas é só até um certo ponto. Esqueço-me que eu não tenho ordenado. Esqueço-me que já se acabaram as fraldas aqui em casa, de vez. Que já não há cadeiras altas e talheres e pratos especiais para bebés. Esqueço-me que essa fase já passou e que isso é espetacular. Esqueço-me de tudo e só me lembro que como são docinhos. Como cheiram bem. Como mamam e dormem ao colinho. Como é bom ter um bebé novo, a estrear. Vou-me lembrando enquanto arrumo tudo em caixinhas e saquinhos. Vou-me lembrando quando deito os meus filhotes com a mesma música de quando estavam na barriga. Vou-me lembrando cada vez que pegar nos sobrinhos que hão vir ao colo. E vou deixando a fábrica em stand by e seguindo em frente.

 

nota: este texto foi escrito em outubro do ano passado. agora que os bebés já cá estão decidi publicar mas não contem com novidades nos próximos tempos. 

Autoria e outros dados (tags, etc)



ana m.

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D